Foi meu sobrinho quem fez!

sobrinho.jpgDepois de formado em design eu via oportunidade em todos os lugares, isto por causa dos muitos trabalhos ruins que eu observava no mercado. O fato é que quando se trata de trabalhar para o mercado, os clientes querem de alguma forma participar do resultado, mas as vezes eles exageram e algo sai muito errado… Alguns trabalhos ficam tão ruins que parecem ter sido feitos por algum sobrinho queridinho de alguém. E isso me faz lembrar de uma história do meu velho professor de design gráfico.

Conta ele que um dia foi atender um cliente dono de uma rede de postos de gasolina. Quando perguntou ao cliente qual era sua expectativa ele respondeu: eu queria contemplado todos os serviços do meu posto nesta marca, troca de óleo, calibragem, loja de conveniência, lava rápido, enfim, uma marca que mostre cada serviço que meu posto oferece. Educadamente ele disse: pois não, vou apresentar 3 propostas para você escolher. No dia da apresentação o cliente reprovou todas as propostas e para deixar tudo mais inconveniente ele tirou um papel do bolso e disse: meu sobrinho fez este desenho e é assim que eu quero. Meu professor educadamente se levantou e disse, infelizmente eu não posso atender você, passar bem! Em outras palavras, então deixe o pirralho fazer!

É como aquela frase, o sujeito compra o cachorro e quer latir por ele. O fato é que hoje há cada vez mais críticos de arte. Você pode ter a técnica, o talento, o bom gosto, mas no final se você não souber conduzir o trabalho, é possível que o seu trabalho seja feito pelo sobrinho espertinho de alguém. Conduzir o trabalho significa mostrar aquilo que você aprendeu com segurança. Prepare seu discurso, compreenda os termos usados no mercado, comunique-se sem medo, e finalmente conduza o trabalho. Deixar outra pessoa conduzir o seu trabalho é atestar a sua incompetência, e isso certamente será transmitido para o resultado final do trabalho.

 

Raio laser só pagando!

 

images.png

Quando comecei minha carreira profissional meu primeiro emprego foi auxiliar de almoxarifado de obras. Estava mais para servente de obras, pois o serviço era basicamente coletar e entregar as ferramentas para os operários, organizar sacos de cimento e empilhar os tijolos, e com meus 1,87m de altura e cerca de 58 Kg, ou seja uma vara de pescar, força não era muito minha praia.

 
1127694609_0f16d0769cO vento começou a mudar quando um amigo me ofereceu uma oportunidade. Me chamou para trabalhar na empresa em que ele era sócio, era um curso para vestibular muito importante na região e a vaga era para digitador. Como nesta época eu estava conhecendo o universo da informática através do curso de informática básica, resolvi aceitar a proposta. Só para te situar no tempo, o curso ensinava Lotus 123 e Fox Pro algo como o Word e Excel só que para DOS.

1457b552182a8aa.jpgDeve estar pensando, dai com este novo emprego o velho Amora disparou! Na verdade não foi bem assim, eu fui demitido em menos de 1 mês de trabalho quando descobriram que eu usava apenas 3 dedos para digitar… O colega do meu lado, ele sim era profissional! Eu quase não via os dedos dele se mexerem, tipo impressora humana. Além do mais, eu sempre fui péssimo para escrever, erro muito e tenho muita pressa em escrever o que penso, por isso este texto que você lê deve estar repletos de erros apesar de eu ter lido 3 vezes, mas estou me esforçando para melhorar e contar minha história para vocês…

 

melhores-amigos.jpg
Esse mesmo amigo que me ofereceu um emprego, após minha demissão financiou um curso de 3D para mim. Quando alguém perguntar o que é um amigo para você, saiba diferencia-lo dos colegas de bar que te pagam rodadas e os que realmente querem teu bem. O curso foi rápido, mais essencial para me jogar direto neste universo do entretenimento que estou até hoje.

tenor.gifEra o avó do 3DS MAX, chamava-se 3D R3 para DOS. O ambiente windows 3.1 ainda era algo que estava evoluindo. Me lembro de duas coisas, eu sou muito inquieto, nunca fazia o tal cubo que o professor pedia, sempre tentava de alguma forma colocar minhas idéias mirabolantes para funcionar. E a segunda não menos importante. Quando pedi para o professor me ensinar a fazer um raio-laser em 3D ele me disse prontamente, dai você tem que pagar mais… : /

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aprendendo a continuar…

Hoje quando pinto com tinta acrílica me lembro dos meus primeiros passos quando comecei com o desenho, com a computação gráfica, com a edição de vídeo, com a fotografia, e muitas outras coisas que quis desenvolver. Sabe o que todas eles têm em comum? O desafio de continuar.

Depois de levar alguns tombos, realmente o que te passa na cabeça é desistir. Tu fala, isso não é para mim. Isso é muito difícil. Não tenho capacidade. Mas a verdade é que a maioria das pessoas para nesse degrau, isso mesmo, esse momento é um degrau. Depois deste degrau que tem o tamanho que você quiser, seu conhecimento aumenta, você passa a conhecer outros caminhos.

Uma boa prática além de estudar é buscar histórias de superação, pessoas que te ajudem a seguir em frente, que passaram por estes degraus. Buscar entender que errar faz parte do processo e que é tão importante quanto aprender uma técnica nova.

O desenho maluco do maluco que ninguém entendia. 

E aqui estou eu novamente para compartilhar minhas experiências.

Passei um bom tempo estudando pintura desde o último post, o que posso acrescentar de mais importante como dica para este post é, a prática leva eleva suas habilidades.

Testei o componente gloss, afirmo, é um produto realmente incrível, ele deixa a tinta acrílica viscosa e com um tempo de secagem muito maior. Facilita muito os degrades, tanto que dá para ficar brincando com as cores por um bom tempo na tela.

Mas porque mesmo esse post se chama cópia?

Minha primeira cópia das poucas que fiz. Esta é a Morrigan Aensland é uma personagem da série de video game Darkstalkers. Acho que eu tinha em torno dos 18 anos quando a fiz.

IMG_0670

Em minha jornada artística pela vida eu copiei muito pouco. Enquanto meus amigos de escolinha desenhavam os super heróis da nossa época e faziam sucesso com os amiguinhos, eu tinha uma estranha mania de criar os meus próprios personagens desconhecidos que ninguém dava bola. Essa mania de criar me seguiu durante a vida, e foi o que me garantiu uma vaga no mercado de trabalho como artista conceitual. Hoje isso me ajuda na minha atual profissão, criação de jogos.

O desenho maluco do maluco que ninguém entendia. 

Essa maluquice ai debaixo eu fiz quando eu tinha aproximadamente 7 a 8 anos…

IMG_0669

Nesta minha fase de pintar em tela, eu sinto falta do combustível do artista, a apreciação do trabalho. Também conhecido como elevação do ego 😊, isso ajuda muito ao artista a continuar a trabalhar, e nada melhor do que pintar coisas conhecidas para trazer aquele “hóó que bonito!”, “hóó que legal!” Além disso, pintando coisas conhecidas você consegue investir mais em suas habilidades técnicas, já foi feito, é só copiar.

Meus trabalhos mais recentes: